sexta-feira, 25 de março de 2016

Dica de filme de sobrevivência: O Impossível

E ai galera, tudo bem?
Neste feridão santo resolvi dar um tempo nas séries e garimpar algum filme que tratasse de sobrevivência. E, consequentemente, trago as impressões para essa nova sessão do nosso blog sobre dicas de filmes que tratem de aspectos importantes da sobrevivência.
Foi aí que escolhi assistir o filme espanhol "O Impossível" (El Impossible, 2012), que trata da história real de uma família que sobreviveu ao tsunami que atingiu o Sudeste Asiático em 2004.
Apesar de ser um filme estrangeiro baseado numa família espanhola, não faltam aqueles clichês emocionais e uma família (teoricamente) americana (inclusive mudando o sobrenome de Belón para Bennet). Mas enfim, o filme contribui com algumas idéias sobre tsunamis e como lidar com essa possibilidade, e é isso que iremos analisar aqui.
Ao retratar a catástrofe e seus impactos, o filme acerta muito mais do que erra, começando com a família discutindo problemas banais (dinheiro, emprego, presentes de Natal), e logo em seguida sendo surpreendida pela onda que invade o resort onde estão hospedados. O filme não cai na besteira de mostrar o mar minutos antes da onda, também não insiste em pressentimentos por parte dos atores, o que se assemelha à realidade.
Qualquer pessoa que estivesse dentro de um resort jamais pararia pra pensar que uma onde gigante viria destruir tudo. Mas como nosso serviço
 é mostrar como se prevenir de uma catástrofe como esta, seguem as imagens de satélite que identifica o mar em sua condição normal, o recuo e o tsunami.
Mar normal
Mar iniciando recuo
Mar completamente recuado
Mar avançando no continente.
O tamanho da onda também é bem detalhado, não parecendo com aqueles tsunamis representandos em diversos filmes de ficção, gigantes.
 Tsunami na ficção
Tsunami real na Tailândia.
Mas por ser menor, não significa que esta onda seja pouco destrutiva, possuindo muita força capaz de arrastar tudo que está pelo caminho, e aí é que está o perigo: todo o entulho que a água carrega, o que o filme mostra muitas vezes com maestria! Fios elétricos, automóveis, entulho, pedaços de madeira, árvores, corpos, vidro, lixo e uma série de outras coisas que vão se chocando com as pessoas que estiverem no caminho da onda, sendo este um dos principais acertos do filme ao mostrar as cenas subaquáticas.
A partir daí, a personagem interpretada pela bela Naomi Watts sofre uma série de ferimentos graves que vão ditar o caminho dela e do filho (Tom Holland, o novo Homem-Aranha) pelo resto do filme. Agora una ferimentos sérios, desidratação e fraqueza com uma terra arrasada cheia de lama suja e restos de corpos e árvores... e voilá, temos a cena de um hospital infestado de pessoas feridas, ossos quebrados, cheias de infecções, hemorragias internas e externas. O filme apenas peca por não ter inserido mais moscas e mosquitos nas cenas, seres responsáveis pela proliferação de doenças diversas.


Outra questão que o filme lembra é o individualismo presente nestas situações (um celular quase sem bateria pode ser artigo de luxo) e a falta de organização num país devastado por uma catástrofe natural, onde os registros hospitalares e de desaparecidos estão a mercê de toda a desordem e desespero presente nas ruas.
Bom, não há como citar uma fórmula para evitar completamente os danos deste tipo de desastre natural, mas é possível tomar algumas medidas para tornar sua viagem à locais propícios a terremotos e consequentes tsunamis menos perigosa:
  • Um tsunami tem maior possibilidade de acontecer em regiões do globo propícias a grandes movimentações de terra, casos de sismos, erupções submarinas, deslizamentos de partes de vulcões, rompimento de falhas geológicas e movimentos de placas tectônicas. Isto justifica os mais de 190 eventos deste tipo no Oceano Pacífico.

  • Regra: se o mar recuou repentinamente, corra para o ponto mais alto possível, considerando construções com mais de 30 andares! Não espere para salvar todos, grite enquanto corre, pois as pessoas não vão pensar em vc.
  • Monte um kit de segurança com água, comida e um kit de primeiros socorros! Mantenha-o onde apenas vc e sua família saibam, longe o alcance da água (sacos e vasilhames impermeáveis).
  • Faça um kit de sobrevivencia que venham a abranger os 5 critérios da sobrevivência (abrigo-água-comida-fogo-sinalização). Inclua medicamentos da família e dos animais de estimação.
  • Utilize pulseiras identificadas para cada membro da família (nome, nacionalidade, idade), assim, caso alguém se perca, mesmo que não fale a língua local, poderá ser minimamente identificado pelas autoridades do país em questão.

Compreendendo estes itens e tendo um pouco de atenção aos sinais da natureza, vc poderá sobreviver para contar a história!
Estejam preparad@s e vamos pra natureza!

Nenhum comentário:

Postar um comentário